Emprego na indústria tem maior alta em cinco anos,aponta Ciesp

O nível de emprego gerado pelas indústrias da região de Piracicaba no mês passado foi o maior para maio desde 2013. A abertura de 500 postos de trabalho com carteira assinada representou, na comparação com abril, avanço de 1,09%. Foi também o terceiro mês consecutivo de alta na empregabilidade nas indústrias da região, fenô- meno que não era observado há cinco anos. O resultado coloca Piracicaba na quarta posição no ranking estadual do emprego na indústria. Os dados foram divulgados ontem pela diretoria regional do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) de Piracicaba. No ano, o saldo do emprego é positivo em 4,79%, o que representa incremento de cerca de 2.000 postos de trabalho nas indústrias instaladas entre os oito municípios compreendidos pela diretoria regional do Ciesp de Piracicaba. A alta porém, deixa de existir quando observado o cenário dos últimos 12 meses, que teve no período queda acumulada de 2,98%, o que representa a perda de cerca de 1.350 vagas com carteira assinada. O resultado positivo de maio foi influenciado, principalmente, pelas contratações feitas pelas indústrias de máquinas e equipamentos (2,38%); veículos automotores e autopeças (2,76%); e produtos têxteis (3,94%). Isoladamente, o resultado de maio foi o melhor para o mês nos últimos cinco anos, visto que 2012 foi o último ano em que o mês teve geração de emprego superior a atual, quando foi registrada alta de 3,71%. Desde então, na ordem crescente do índice, aparecem os meses de maio dos anos de: 2015 (-1,3%); 2016 (-0,76%); 2014 (0,30%); 2013 (0,53%); e 2017 (1,09%). Para o ano, maio apresentou o terceiro melhor resultado mensal que conta com: janeiro (0,25%); fevereiro (-0,86%); março (3,13%); e abril (1,12%). De acordo com o gerente regional do Ciesp Piracicaba, Homero Scarso, o bom desempenho não significa, no entanto, a recuperação econômica do país. Para ele, a melhora no nível de emprego está relacionada às exportações da indústria regional que se mantêm ativas. “Infelizmente não se pode afirmar que haja uma recuperação da economia interna do país, pois estas contratações, em suma, visam atender a uma demanda específica do mercado externo. Tratam-se de empresas que firmaram contratos com o compromisso de entregar suas mercadorias no exterior e esta alta na empregabilidade decorre da necessidade do cumprimento desses contratos. O mercado interno, por sua vez, não dá sinais de recuperação e permanece bastante limitado nesta questão”, informou. Scarso destacou que com o fim das contratações relacionadas ao setor sucroenergético em abril, os 500 empregos gerados em maio representa elevado valor agregado. “São vagas efetivas, ou seja, têm caráter definitivo, diferente das vagas abertas para a safra da cana, que são temporárias e não representam verdadeira reposi- ção dos empregos eliminados”, disse. RANKING — Mensalmente o Ciesp divulga também uma listagem com as 35 diretorias regionais e seus respectivos desempenhos. No levantamento mais recente Piracicaba está na quarta colocação, atrás apenas de Americana (1,78%); Limeira (1,39%); e São Caetano do Sul (1,37%). No ranking anual a regional de Piracicaba está na quinta colocação e aparece atrás de Franca (7,37%); Limeira (6,88%); Araraquara (6,19%); e Americana (5,64%).

 

Fonte :JP 15/06