Dimensão política - Executivo. Austeridade continua: Barjas fez balanço do primeiro ano de governo

O controle de gastos e a política de contingenciamento de recursos continuarão em 2018, para que a prefeitura termine o próximo ano como este, com o pagamento dos fornecedores e de todos os salários dos funcionários em dia. A meta de economizar R$ 65 milhões, como anunciado no início de 2017 pelo prefeito Barjas Negri (PSDB), não foi atingida. O valor alcançado foi de R$ 44,2 milhões. "Fizemos um grande esforço para não atrasar salários e fornecedores, cortamos valores de contratos, apenas um aluguel - de uma unidade de saúde do Jardim Camargo - sofreu reajuste, os demais permaneceram no mesmo valor. A gratificação dos professores teve de aguardar o repasse do ICMS do Estado, que ocorreu hoje (ontem) e será pago nesta quinta-feira. Fizemos todos os ajustes possíveis no custeio e a maior parte dos cortes foi no investimento. Deixamos de fazer coisas novas, mas isso não inviabilizou a manutenção dos serviços e a melhora da gestão de alguns setores da administração", afirmou. Os dados foram apresentados pelo prefeito, ontem, à imprensa. Ele relatou as ações realizadas ao longo de 2017, como retomada de obras viárias paradas, a conclusão do sistema de ar-condicionado do Hospital Regional (previsto para entrar em funcionamento em março), o início da reurbanização de quatro favelas (Portelinha, Pantanal, Caiubi e Frederico - que exige investimento de R$ 6 milhões), o aumento dos atendimentos na rede pública de saúde, causado pelo desemprego de aproximadamente 10 mil pessoas formais e outras 10 mil informais na cidade. "Essas pessoas contavam com plano de saúde, mas como perderam o emprego, recorreram à rede pública. Mesmo assim, adotamos medidas que absorveram essa demanda e reduzimos a fila nas UPAs, porque o paciente não aguarda mais para fazer um exame de ultrassonografia no leito da UPA, se o caso permite, ele vai para a casa e faz o exame. Se for caso para cirurgia, ele é encaminhado para internação", comentou. Barjas anunciou ainda que deve iniciar a primeira etapa da construção da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Vila Cristina, em 2018 e a segunda etapa em 2019. Ele afirmou que o Teatro Municipal Dr. Losso Netto deverá ser reinaugurado em março. O local está fechado há cinco anos para a reforma. "Readaptamos o projeto e com investimento de R$ 1,5 milhão teremos novamente o teatro recebendo espetáculos do eixo Rio São Paulo", afirmou. Quanto à praça José Bonifá- cio, o prefeito afirmou que não há um projeto de reforma definido e a prefeitura não tem recursos para a obra. "A última intervenção foi há 10 anos e ela está um pouco deteriorada. Não temos recursos, mas estamos buscando alternativas e propostas", disse.

Fonte: Gazeta de Piracicaba 28.12.2017