Dimensão Econômica / Números aumentaram 13% e balança comercial do semestre fecha com superavit de US$ 90,2 mi

A Diretoria Regional do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) de Piracicaba ocupa a nona posição no ranking estadual das 39 regiões paulistas que mais exportaram no primeiro semestre de 2017. No período a remessa de produtos ao exterior cresceu 13,3%, em relação ao primeiro semestre de 2016. Piracicaba é o principal exportador entre os nove municípios que compõem a regional sendo responsável por 93,8% das remessas. As informações constam em balanço divulgado ontem pelo Ciesp. Entre os municípios da região a corrente de comércio teve expansão de 8,9%, indo de US$ 1,48 bilhão no primeiro semestre de 2016, para US$ 1,61 bilhão em 2017. De janeiro a junho deste ano, o saldo da balan- ça comercial da região foi superavitário em US$ 90,2 milhões e no mesmo período de 2016, o superavit foi de US$ 21,6 milhões. O resultado indica um aumento de 317,9% neste ano. Todos os dados integram o levantamento elaborado pelo Depecon (Departamento de Estudos e Pesquisas Econômicas) em conjunto com o Derex (Departamento de Rela- ções Exteriores) do Ciesp. O crescimento de 13,3% nas exportações obtido entre janeiro e junho de 2017 pela Diretoria Regional de Piracicaba decorre do avan- ço de US$ 750,6 milhões, para US$ 850,7 milhões em produtos remetidos ao exterior. Nas exportações da região os produtos que tiveram maiorrepresentatividade são os reatores nucleares, caldeiras, máquinas, aparelhos e instrumentos mecânicos e suas partes (US$ 675,5 milhões); produtos químicos orgânicos (US$ 66,9 milhões); ferro fundido, ferro e aço (US$ 31,8 milhões). Entre os principais destinos das exportações da região estão os Estados Unidos (29,7% do total), Argentina (9,3%) e Canadá (4,6%). As importações efetivadas pela regional Piracicaba tiveram avanço de 4,3%, passando de US$ 729 milhões para US$ 760,5 milhões no comparativo entre semestres. Além de liderar o ranking regional de exportações, isoladamente, o município de Piracicaba é também o maior importador da região, responsável por 97,3% das operações. Os produtos e equipamentos líderes em importações no semestre passado foram reatores nucleares, caldeiras, máquinas, aparelhos e instrumentos mecânicos e suas partes (US$ 291,7 milhões); automóveis, tratores e outros veículos terrestres, suas partes e acessórios (US$ 159,7 milhões); máquinas, aparelhos e materiais elétricos e suas partes, aparelhos de gravação ou de reprodução de som e em televisão e suas partes e acessórios (US$ 89,5 milhões). As principais origens dos produtos importados na região foram a Coréia do Sul (46,9% do total importado), Estados Unidos (20,7%) e China (7,9%). Nas primeiras posições do ranking estadual estão as regionais de São José dos Campos (1º); São Paulo (2º); e Santos (3º). Na ponta de baixo da tabela estão Jau (37º); Santa Bárbara D’Oeste (38º); e Vale do Ribeira (39º). De acordo com Homero Scarso, gerente regional do Ciesp, o avanço nas exporta- ções e o saldo positivo na balança comercial resultam da estabilidade do dólar e que representam a manutenção dos postos de trabalho, além de indicar a possibilidade de novas contratações. “Isso pode acontecer porque se o empresário tem uma demanda acima do previsto, para respeitar o prazo de entrega, pode ser necessário abrir novas vagas de emprego.Eisso provoca reflexos na economia de toda a cidade. Mais gente trabalhando significa mais dinheiro em circulação, consequentemente mais pessoas gastando, pagando impostos, enfim, todos saem ganhando”,relatou.

Fonte: JORNAL DE PIRACICABA TERÇA-FEIRA, 25 DE JULHO DE 2017