Decreto tem como intenção proteger áreas de preservação permanente

A partir de 2018, a prefeitura irá liberar R$ 125 mil para que produtores rurais façam parte do Programa de Pagamento por Serviços Ambientais Preservando o Futuro com foco na preservação de áreas rurais com potencial de recursos hídricos. O decreto, que regulamenta a lei n´ 8013/2014 e tem como intenção proteger e preservar áreas de preservação permanente, que inclui matas ciliares, foi assinado ontem pelo prefeito Barjas Negri (PSDB) durante palestra realizada na Coplacana (Cooperativa dos Plantadores de Cana de Piracicaba). De acordo com José Otá- vio Mentem, secretário da Sedema (Secretaria de Defesa do Meio Ambiente), o programa pretende pagar, inicialmente, por ações de saneamento básico da propriedade rural, práticas de conservação do solo que evitem ou contenham processos erosivos e, assim, permitam a melhor infiltração da água no solo e também para implantação, recuperação e manutenção da vegetação das Áreas de Preservação Permanente na região do RibeirãodosMarins,que tem alto potencial hídrico. “Temos cerca de 350 propriedades cadastradas nesta região, mas é preciso mapeá-las e também sensibilizar os proprietários para que eles façam a adesão voluntá- ria neste projeto. Queremos que o maior número de proprietários participe e que nós possamos atender a todos. O valor de R$ 125 mil é apenas para garantir o início do programa. Estamos em contato com a Secretaria de Estado do Meio Ambiente para ver se eles também participam e nos ajudam com subsídios”,relatou Mentem. Para Sérgio Diehl, diretor regional do Cati (Coordenadoria de Assistência Técnica Integral) em Piracicaba, o programa é um avanço “já que a maior parte dos agricultores e produtores rurais não se sentem responsá- veis pela degradação” e que o número de adesões da cidade junto ao Cadastro Ambiental Rural já atingiu 90%. “Agora começa a parte mais difícil e que também integra o trabalho do nosso cadastro, que é convencimento, explicaratodos as vantagens de preservar o meio ambiente”, disse. Segundo Diehl, junto ao Estado, a Cati oferece diversos subsídios para que os produtores preservem o meio ambiente. “Um deles é o programa Integra São Paulo que dá subsídios de até R$ 15 mil por propriedade e também o projeto Recuperação de Mata Ciliar que dá até 24 mil em subvenções. Para receber este dinheiro, os interessados devem cadastrar projetos junto a Cati, quem também auxiliará na sua elaboração”, completou. Mentem destaca que, assim que estiver fechada todas as obras de preservação nesta microbacia, será possível ter água reservada para abastecer até 60 mil pessoas na região oeste da cidade. “Com essa proteção, esperamos que a gente possa aumentar em até 30% a quantidade de água reservada no sobsolo, que antes era perdida pelo lençol freático. Isso trará reflexo dentro de dois a três anos”, afirmou.

FONTE: JORNAL DE PIRACICABA